Lenda da Serpente do Arco - Íris.

Escrito Por: BNW Avaliador Publicado em: Lendas Aborígenes Data de Criação: 22/10/2018 Acessos: 1327 Comentários: 0

Lenda da “Serpente do Arco-Íris” australiana.

As serpentes são personagens centrais em vários mitos, e muitas vezes estão associadas à virilidade, fertilidade, força, ao mal, entre vários outros símbolos.
Um dos mitos mais belos nasceu na Austrália e são contadas de formas diferentes e em várias tribos aborígenes, abaixo duas versões para a mesma lenda. 
leia mais em:

 Lenda da “Serpente do Arco-Íris” australiana - Versão 1

 

 As serpentes são personagens centrais em vários mitos, e muitas vezes estão associadas à virilidade, fertilidade, força, ao mal, entre vários outros símbolos como  de iphilya.
Um dos mitos mais belos nasceu na Austrália em várias tribos aborígenes e apresenta algumas pequenas variações de tribo para tribo. Estas tribos respeitam as cobras, pois acreditam que uma serpente gigante deu forma ao mundo que conhecemos hoje e controla o seu recurso natural mais precioso, a água.
Ngaloyd e Borlung são dois nomes místicos da gigantesca “Serpente do Arco-Íris”, que através de seu movimento subterrâneo fez surgir serras e cordilheiras de montanhas, sendo a maior “prova” da existência da ‘serpente do arco-íris’ a forma dos rios que teriam surgido enquanto a serpente rastejava sobre a terra.

Serpente do Arco-Íris, suas histórias e os nomes que lhe são atribuídos variam, mas geralmente ela é associada à água e, portanto, à própria vida. Em muitas histórias, ela acaba devorando as pessoas, mas também traz tradições e costumes para o povo australiano. A Serpente do Arco-Íris é usada como um mito de criação, bem como uma explicação para as leis, os costumes e a cultura tribal totêmica que existem em toda Austrália.

    Dreaming - Versão 2

    Durante o Tempo dos Sonhos, nos primórdios do tempo, enquanto a serpente viajava de norte a sul da Austrália, as marcas de sua perambulação foram dando origem aos vales, rios e riacho. Finalmente, ela criou os sapos, que emergiram da terra com as barrigas cheias d'água. A Serpente do Arco-Íris fez cócegas nelas, e a água jorrou por todo mundo, enchendo os rios e o lagos. A partir daí, todas as demais formas de vida - tanto vegetais quanto animais- emergiram. Os cangurus, os emus, as cobras, os pássaros e os outros animais seguiram a Serpentes do Arco-Íris pelo território afora, cada animal ajudando a manter o equilíbrio ecológico ao caçar somente para sua própria espécie.

    A serpente trouxe leis e costumes, decretou que aqueles que desobedecem deveriam permanecer sob a forma animal, ao passo que os que se comportassem bem seriam levados a forma humana. Cada tribo recebeu um totem animal de que descendia, como ícone identificado e lembrete de suas origens. Era-lhes permitido comer de tudo menos o animal ancestral, o que significava que haveria comida bastante para todos - uma crença útil em uma terra onde os recursos são tão escassos

Para alguns, a maravilhosa “serpente do arco-íris” ainda repousa no fundo dos rios do planeta e às vezes é possível até observar o brilho de suas escamas refletindo o sol em um belo arco-íris nas cachoeiras.

 

Compilado por Teixeira Curti

Textos de Paulo C. M. D. de Mesquita , Mark Daniels  '' Contos para quem tem pressa ''

 

 

__Todas as mensagens enviadas e que não tiverem relação com o assunto tratado nesta página e de interesse dos demais usuários destas páginas, serão automaticamente excluidas pelo sistema.

__All messages sent and that are not related to the subject treated on this page and of interest to other users of these pages, will be automatically deleted by the system.

 

Deixe um comentário

Captcha